Rádio Difusora

(45) 9-9841-0044
14/08/2018 16:53 | Autor: Editor
Fonte: CGN

HU indenizará esposa e filho que descobriram morte de paciente só 14 horas depois

Corpo do homem já estava na Acesc sem que família soubesse que ele havia morrido...

Imagine chegar ao hospital para visitar seu familiar que está internado e descobrir que ele morreu no dia anterior? A situação foi registrada no Hospital Universitário do Oeste do Paraná) em Cascavel e ontem (13) a justiça decidiu que a esposa e o filho terão direito a indenização.

A sentença saiu apenas agora, mas o caso ocorreu ainda em 2009. O homem deu entrada no hospital no dia 10 de março com crise convulsiva e faleceu às 21h43 do dia 14. No dia seguinte a família chegou ao hospital por volta do meio-dia, para visita de rotina e só percebeu que havia algo errado quando não o encontrou no quarto do internamento.

Eles teriam percorrido o hospital em busca do homem e depois de muitos questionamentos foram informados sobre o óbito pela Assistente Social. O corpo já estava na Acesc (Administração dos Cemitérios de Cascavel) e a situação gerou grande abalo.

Foi muito difícil. As 14 horas entre a morte e o conhecimento da família atrasaram o velório e fizeram que o corpo entrasse em decomposição, exigindo procedimento de tanatopraxia no cadáver.

O hospital chegou a afirmar que a obrigação de avisar a família seria da médica, mas a apuração do caso apontou que esta função é do hospital.

A Justiça entendeu que um item elementar da dignidade humana foi violado, que é o direito de sepultamento e manifestação de luto.

A sentença dada ontem determina indenização por danos morais para o filho e esposa do homem, no valor de R$ 8 mil cada. O valor receberá juros e correção monetária.

Cabe recurso tanto por parte da Unioeste, que responde pelo HUOP, quanto por parte da família, que pode buscar o aumento do valor da indenização.