Rádio Difusora

(45) 9-9997-0532
16/05/2019 16:04 | Autor: Editor

Audiência pública define medidas de apoio para crianças autistas de Mal Rondon

Vereadores de Marechal Cândido Rondon promoveu, na noite de ontem (15), audiência pública para discutir a implantação de programas e leis em benefício dos pacientes portadores de autismo e seus familiares. O evento foi presidido pelo vereador Cleiton Freitag (Gordinho do Suco) e secretariado pelo vereador Ronaldo Pohl.

Também participaram da frente de honra o diretor do Departamento de Ensino da Secretaria de Educação, Alaercio Pinati; a diretora da Escola Municipal Bento Munhoz, Cerleny Smaniotto Drehmer; a psicopedagoga Estela Stoef e o advogado Andrew Klauck Dias.

O autismo é um problema psiquiátrico que costuma ser identificado na infância, entre 1 ano e meio e 3 anos, embora os sinais iniciais às vezes apareçam já nos primeiros meses de vida. O distúrbio afeta a comunicação e capacidade de aprendizado e adaptação da criança.

Comunidade teve a oportunidade de apresentar suas demandas

Os autistas apresentam o desenvolvimento físico normal. Mas, eles têm grande dificuldade para firmar relações sociais ou afetivas e dão mostras de viver em um mundo isolado.

Uma das constatações da audiência pública na Câmara de Vereadores é que existem muitas leis federais que amparam os casos de autismo.

Contudo, conforme Pohl, a desinformação dificulta o acesso das famílias a estes benefícios.

“Quando municipalizamos essas leis, nós ganhamos com a divulgação destas à comunidade local. Sempre vai existir a cobertura da imprensa e as próprias redes sociais fomentam isso. A vantagem é que faremos toda a sociedade de Marechal Rondon entender um pouco mais sobre esta situação”, afirma.

Audiência pública foi realizada no Poder Legislativo

Ao fim da audiência, Gordinho do Suco e Pohl anunciaram a disposição de apresentar projetos de leis, indicações e requerimentos para atender as demandas apresentas.

Uma delas é que seja permitido à família com criança autista escolher qual Cmei ou escola municipal ela será matriculada, assegurando também o direito ao transporte escolar, inclusive com assento prioritário e o acompanhamento de monitor dentro do ônibus. Outra intenção é solicitar que o Município garanta atendimento com terapeuta ocupacional e que ofereça, através do SUS, serviços de neuropediatria.

Outra sugestão é a criação da carteirinha municipal do autista, a qual garantiria atendimento prioritário nos bancos e órgãos públicos, por exemplo. Também será solicitado que os autistas tenham direito à vaga preferencial de estacionamento.

Atendimento voltado aos autistas adultos também será reivindicado. Inclusive, com a divulgação da lei federal que prevê que empresas com mais de 100 funcionários podem disponibilizar 3% das vagas para autistas.